Cinema Ambiental

Cicatrizes numéricas

CICATRIZES NUMÉRICAS

(Clique no título do filme e assista)

Filme produzido de forma colaborativa no Curso de Cinema Ambiental com estudantes da UFRJ (Macaé), Unirio (Rio de Janeiro) e Universidad del Tolima (Colômbia).

Demonstra os diversos olhares sobre a comunidade do Bairro Lagomar em Macaé-RJ ressaltando os diversos atores humanos e não-humanos na arena socioambiental. Ressalta como a hegemonia da indústria petrolífera invisibiliza a comunidade e degrada o meio ambiente.

Nuestra América em Diálogo – Boletim AELAC Brasil

Revista número Zero da Associação de Educadores de Latino América e Caribe (AELAC)

Clique no link e confira a Revista AELAC na íntegra

AELAC _Nuestra América em Diálogo

A AELAC – Associação de Educadores de América Latina e Caribe”, Seção Brasil, é uma organização não governamental que reúne educadores e instituições de diferentes países interessados no estudo, pesquisa e integração dos povos latino americanos, buscando resgatar nossas raízes educacionais e culturais, para construirmos uma Pedagogia Latino Americana que ofereça respostas às nossas realidades.

 

Nesta edição é possível conhecer o trabalho do GEASur pelas palavras de Marcelo Aranda, Celso Sánchez y Jesus Pérez.

 

Projetos UNIRIO

Ensino, pesquisa, extensão e militância: reflexões sobre o Grupo de Estudos em Educação Ambiental Desde El Sur – GEASur.

Celso Sánchez e Marcelo Aranda – UNIRIO

O GEASur prioriza uma metodologia de trabalho coletivo, onde as reuniões semanais são espaços de escrita, orientação, aulas e leituras em grupo, acreditando que este espaço traga aprendizagens com o potencial de proporcionar trocas de saberes e de conhecimentos de uma forma diferenciada do modelo de produção ou de estudo individual. Segundo o próprio Paulo Freire, uma de nossas referências de base, no livro a Pedagogia do Oprimido (1981, p.23), “ninguém educa ninguém, ninguém se educa sozinho. As pessoas se educam entre si”. O grupo realiza imersões para realizar vivenciar e aprofundar alguns temas. Além disso, organiza diversos eventos científicos, tais como “Diálogos Desde El Sur”; Fórum de Pesquisa Crítica e recentemente o Encontro de Pesquisa em Educação Ambiental (EPEA).

 

Artigo

Hacia un Manual de Estudio: recomendaciones para la capacitación acerca del medio ambiente y su educación desde la empresa socialista

Jesús Jorge Pérez García

Universidad de Pinar del Río. “Hermanos Saís Montes de Oca”

Los espacios abiertos por GEASUR “La Educación Ambiental desde el Sur”, permitieron conocer nuevas experiencias de profesores de universidades de nuestra América de países como Colombia y Venezuela, con otras realidades y propuestas que enriquecieron la experiencia de los participantes respecto a las metodologías participativas que nos ayudan a pensar el tema ambiental como un desafío de “nuestra América”.

En verdad, los resultados de la experiencia de “investigar para transformar la realidad”, de acuerdo con Estrategia Nacional de Educación Ambiental de Cuba, serán presentados en mi tesis doctoral y leída a mediados de junio/2016, en Cuba. Desde luego, el espacio de esta publicación de la AELAC – Asociación de Educadores de Latinoamérica y el Caribe no permiten hablar de los fundamentos de la educación ambiental y tampoco de la situación general de degradación de la pacha mama, así que ahora presentamos solamente los procedimientos metodológicos que utilizamos para los procesos de educación/ formación de los dirigentes de la Empresa Transporte Agropecuario de Pinar del Río Cuba.

 

 

CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Confira a participação do GEASur no Congresso Nacional de Educação Ambiental através das nossas publicações.

 

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, ECOLOGIA POLÍTICA E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS: REFLEXÕES PARA AS PRÁTICAS E POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Marcelo Aranda STORTTI, Estudante de doutorado do Programa de Educação (UNIRIO) e professor da FEUDUC, contato: marcelostortti@gmail.com;

Anne Kassiadou MENEZES Mestre em Educação na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), contato: annekmenezes@hotmail.com.

 

Para ler este artigo clique aqui.

 

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO DE CIÊNCIAS COM A COMUNIDADE GUARANI: INTERCULTURALIDADE E TEMAS GERADORES A PARTIR DA COTIDIANIDADE DAS ALDEIAS GUARANI DE MARICÁ E ITAIPUAÇU

Clara dos Santos BAPTISTA . Graduanda no curso de Ciências Ambientais da UNIRIO, contato: clarabaptista@superig.com.br;

Sandra BENITES. Professora Guarani mestranda PPGAS UFRJ;

Celso SÁNCHEZ PEREIRA. Professor Doutor da UNIRIO.

 

Clique aqui e acesse este artigo.

 

Para saber mais informações sobre o Congresso Nacional de Educação Ambiental

http://www.cnea.com.br

 

Livro “Pensamento ambientalista numa sociedade em crise”

Pensamento ambientalista numa sociedade em crise

2015

O livro Pensamento Ambientalista numa sociedade em crise tem como fio condutor, a história do ambientalismo no Brasil, suas interfaces com as lutas sociais empreendidas pelos povos tradicionais e moradores das periferias urbanas.

A complexidade da questão ambiental contemporânea é abordada por dezessete pesquisadores de diversas instituições, entre elas, UFRJ, UNICAMP, UNIRIO, Universidade da Columbia (EUA) e Universidade Andina Simón Bolívar (Equador).

capa

 Este livro é especialmente direcionado àqueles que buscam compreender a problemática ambiental à luz dos problemas sociais no intuito promover uma maior de transformação da sociedade.

SUMÁRIO
APRESENTAÇÃO
Francisco de Assis Esteves / 15

CAPÍTULO 1
REFLEXÕES ACERCA DO AMBIENTALISMO: AS CONFERÊNCIAS OFICIAIS DA ONU NO BRASIL
Ana Carolina Aguerri Borges da Silva / 19

CAPÍTULO 2
AMBIENTALISMO NO BRASIL: MEMÓRIA E CULTURA POLÍTICA
Agripa Faria Alexandre / 37

CAPÍTULO 3
EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA: CONTRIBUIÇÕES À LUZ DE ENRIQUE DUSSEL E PAULO FREIRE
César Augusto Soares da Costa e Carlos Frederico Bernardo Loureiro / 55

CAPÍTULO 4
TENSÃO PÚBLICO-PRIVADO NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ANÁLISE CRÍTICA DOS PROJETOS PRIVATISTAS NAS
ESCOLAS PÚBLICAS
Rodrigo Lamosa e Leonardo Kaplan / 77

CAPÍTULO 5
O ANTIECOLOGISMO NECESSÁRIO
Inny Accioly e Celso Sánchez / 111

CAPÍTULO 6
O TRABALHO ENQUANTO MEDIAÇÃO NECESSÁRIA AOS PROCESSOS DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DE MULHERES
PESCADORAS EM PROGRAMAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Amanda Gabriella da Silva, Carla Alessandra da Silva Nunes,
Carlos Frederico Bernardo Loureiro, Maria Naislaine de Jesus Santos e
Ticiane Pereira dos Santos / 137

 

CAPÍTULO 7
A NOVA TENDÊNCIA DOS PAGAMENTOS POR SERVIÇOS AMBIENTAIS, A EMERGÊNCIA DO REDD+ E OS POVOS INDÍGENAS
Vanessa Hacon / 157

CAPÍTULO 8
ETNOEDUCACIÓN AMBIENTAL EN EL PACIFICO SUR COLOMBIANO POLITICA DE VIDA EN CONTEXTOS DE MUERTE
Santiago Arboleda Quiñonez / 183

CAPÍTULO 9
ECOLOGIA POLÍTICA E EDUCAÇÃO PARA A SUSTENTABILIDADE: VISÃO CRÍTICA DO NORTE
Nicolas Stahelin / 209

CAPÍTULO 10
EDUCAÇÃO AMBIENTAL, EDUCAÇÃO DAS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E AS CONFLUÊNCIAS NO CAMPO DOS
DIREITOS HUMANOS: DOS QUILOMBOS ÀS FAVELAS
Claudia Miranda / 225

CAPÍTULO 11
ÁGUAS MARAVILHOSAS (MACAÉ, RJ): DO RIO AO LIXÃO NA MEMÓRIA DE UMA CATADORA DE LIXO
Rafael Nogueira Costa, Giuliana Franco Leal e
Celso Sánchez Pereira / 249



Para realizar o download acesse o link:

http://www.macae.ufrj.br/nupem/index.php/novidades/334-nupem-ufrj-publica-livro-eletronico-gratuito-sobre-educacao-ambiental

V Seminário de Justiça Ambiental, Igualdade Racial e Educação

Faixa Semijaire 2015-Luto

O Seminário de Justiça Ambiental, Igualdade Racial e Educação (SEMIJAIRE) é um evento anual, de natureza interdisciplinar e interinstitucional, cujo objetivo é mobilizar representantes dos movimentos sociais, alunos e professores da educação básica, docentes e discentes de universidades e integrantes do poder público, convidando-os a refletir sobre os desafios, ações e políticas para a promoção da igualdade ambiental e racial, observando suas interseções no contexto local e global.

http://semijaire2015.blogspot.com.br/

Trabalhos apresentados pelos pesquisadores do GEASur

IV SEMIJAIRE Trabalhos Completos – FINAL

O MAPA DE CONFLITOS ENVOLVENDO INJUSTIÇA AMBIENTAL E SAÚDE NO BRASIL COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO PARA AS PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL: FORTALECENDO DIÁLOGOS COM A JUSTIÇA AMBIENTAL.

DIOGO FERREIRA DA ROCHA E ANNE KASSIADOU MENEZES

 

A GEOPOLÍTICA DAS LUTAS E CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS NA AMÉRICA LATINA: PERSPECTIVAS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONTEXTUALIZADA A JUSTIÇA AMBIENTAL.

CELSO SANCHEZ, ANNE KASSIADOU MENEZES E MARCELO ARANDA STORTTI

 

TRABALHO DE CAMPO NA LICENCIATURA: EXPERIMENTANDO O CINEMA NA FRONTEIRA ENTRE O TERMINAL DE PETRÓLEO E A UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

FÁTIMA TERESA BRAGA BRANQUINHO E RAFAEL NOGUEIRA COSTA

 

DIÁLOGOS ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DE BASE COMUNITÁRIA E JUSTIÇA AMBIENTAL: UMA PERSPECTIVA SOBRE EXPERIÊNCIAS COM MULHERES DAS CLASSES POPULARES, NO MUNICÍPIO DE MAGÉ.

CELSO SANCHEZ E CAROLINA ALVES GOMES DE OLIVEIRA

 

OS ORGANISMOS INTERNACIONAIS E A PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO: AS MACROTENDÊNCIAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS COORDENADOS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE NO MORRO DA FORMIGA, RIO DE JANEIRO, RJ

LUCAS NEVES DA CUNHA

 

EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA: ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS EMPRESARIAIS NO CONTEXTO DA IIRSA

CELSO SÁNCHEZ PEREIRA, MARCELO ARANDA STORTTI E BÁRBARA PELACANI

Trabalhos publicados no VIII EPEA

50000000

VIII ENCONTRO PESQUISA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PESQUISA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL:

A avaliação da década da Educação para o Desenvolvimento Sustentável e perspectivas futuras

Trabalhos publicados nos Anais do encontro

LEMBRANÇAS E HISTÓRIAS DE UM VALE ENCANTADO_A EDUCAÇÃO AMBIENTAL POPULAR ATRAVÉS DA METODOLOGIA INVESTIGAÇÃO AÇÃO PARTICIPANTE (IAP) NA PROTEÇÃO DE SABERES LOCAIS NO VA LE DO JEQUITINHONHA

  • Daniel Renaud, Celso Sánchez

 

  • Anne Kassiadou Menezes

 

  • Rafael Nogueira Costa, Juliette Yu-Ming, Celso Sánchez

 

  • Bárbara Pelacani, Simone Sousa Freitas Ximenes, Daniel Fonseca de Andrade

 

Os trabalhos citados também podem ser acessados através do link:

Imersão GEASur no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (PARNASO)

O PARNASO COMO PALCO: A IMERSÃO COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA DE UM GRUPO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O Grupo de Estudos em Educação Ambiental desde el Sur (GEASur) é um grupo de pesquisa acadêmico*  vinculado à Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), criado em 2012 com o objetivo de atuar no ensino,  pesquisa e extensão, fazendo o recorte da educação ambiental “desde el sur”. Ou seja, uma educação ambiental pensada a partir do contexto latinoamericano , onde os contextos históricos e geopolíticos preconizam as tensões socioambientais de nossa atualidade. Por isso, esta perspectiva é aliada a discussões que se debruçam sobre os conceitos de decolonialidade, interculturalidade e ecologia de saberes; com bases epistemológicas contempladas pelos campos da educação ambiental crítica e sobretudo educação ambiental de base comunitária e ecologia política.

O GEASur prioriza uma metodologia de trabalho coletivo, onde as reuniões semanais são espaços de escrita, orientação, aulas e leituras em grupo, acreditando que este espaço traga aprendizagens com o potencial de proporcionar trocas de saberes e de conhecimentos de uma forma diferenciada do modelo de produção ou de estudo individual. Segundo o próprio Paulo Freire, uma de nossas referências de base, no livro a Pedagogia do Oprimido (1981): Ninguém educa ninguém, ninguém se educa sozinho. As pessoas se educam entre si.”

Esta perspectiva coletiva ganhou a contribuição de uma proposta de imersão, onde o grupo teve a oportunidade de conviver durante três dias no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, no município de Teresópolis, RJ. Percebemos que seria um grande passo para um grupo que trabalha junto cotidianamente se reconhecer como seres humanos com histórias de vida e jornadas profissionais que não são detalhadas em entrevistas e curriculuns tradicionais; além de termos a oportunidade de produzir nas respectivas pesquisas, neste contexto de “conhecer o outro”.

imersãoGeasur

O GEASur se hospedou no Parque Nacional da Serra dos Órgãos durante o período do dia 04 de junho ao dia 06 de junho de 2015. No primeiro dia de encontro, realizamos uma dinâmica de integração, na qual todos os pesquisadores do grupo contaram suas trajetórias e jornadas profissionais relatada sob um ponto de vista mais particular e o que os motivou a reingressarem na vida acadêmica. Um dos relatos que tocou o grupo foi a fala de Sônia Terezinha de Oliveira, servidora pública da UNIRIO há mais de 20 anos e pesquisadora do GEASur:

No período que antecedeu ao primeiro encontro do GEASur vários sentimentos, como: medo, incerteza, euforia afloravam em mim. Uma série de perguntas que naquele momento, não teriam respostas, tais como: O que estudaria? Conseguiria acompanhar? Poderia ser capaz de compreender os assuntos abordados? (…) Aos poucos fui conhecendo as pessoas que integravam o grupo, seus trabalhos acadêmicos, suas teses. (…) A diversidade do grupo enriquece trocas de experiências, de conhecimentos e de vivências no campo da educação ambiental crítica. Nos encontros comecei a entender e compreender a amplitude de estudar em grupo, o que significava a sigla GEASur, o conceito, as ideais, metas, objetivos a serem alcançados, a função de grupo. A participação no grupo de estudo ajudou a amadurecer meus pensamentos e reflexões. Pensando e repensando desejava estudar algo que pudesse no futuro próximo implementar, promover, ser uma multiplicadora do conhecimento, poder fazer a diferença, que fosse um divisor de águas e não apenas um curso para receber mais um certificado ou diploma.”

Este olhar de Sônia vai de encontro ao que o GEASur propõe como grupo de pesquisa: uma contribuição à formação humana, que faça da universidade pública um lugar para todos e todas, que contempla a perspectiva do próprio grupo de que o processo educativo, além de ser intelectual, deve ser um processo de educação para a cidadania. Como reflexo desta perspectiva, ao longo da imersão houveram apresentações sobre  história e cultura da África e da América Latina. No segundo dia, os pesquisadores dialogaram sobre suas pesquisas e seus momentos de investigação, com espaço para trabalhar na escrita, onde todos puderam se ajudar, trazendo reflexões e considerações. Ao final foi feita uma roda de avaliação do processo, destacando que a proposta de imersão legitima a dimensão pedagógica da convivência humana para a produção de trabalhos intelectuais construídos com base em uma autonomia coletiva. Desta forma, destaca-se a importância do PARNASO possuir infraestrutura necessária  para o alojamento de pesquisadores e grupos interessados em um aprofundamento em sua formação.

PESQUISADORES PARTICIPANTES DA IMERSÃO

Sônia Oliveira; Marcelo Stortti; Anne Kassiadou; Júlio Vitor; Ana Carolina; Rafaella Uchôa; Bárbara Pelacani; Igor Lobo; Gleice Máira; Daniel Renaud; Euzimar Gomes; Bárbara Thees; Celso Sánchez.

Este texto foi publicado nos Anais do XIII Encontro de Pesquisadores e VII Encontro de Educação Ambiental da Serra dos Órgãos. O trabalho está disponível no link:

http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/DCOM_anais_13_pesquisa_Parna_Serra_dos_Orgaos.pdf